quarta-feira, 1 de junho de 2011

Escaras de decúbito

As escaras de decúbito são muito comuns em pacientes com problemas ortopédicos e neurológicos. É um problema que nos deparamos frequentemente, e muitas vezes os proprietários não sabem como agir ao ver o cão sofrer com as escaras. Abaixo vou colocar uma explicação resumida sobre as escaras de decúbito, que tirei do livro Reabilitação e Fisioterapia na Prática de Pequenos Animais, dos autores Levine, D. et al.


As úlceras de decúbito em pacientes veterinários estão relacionadas a alta morbidade e altos custos para o proprietário. Geralmente, as úlceras de decúbito são geradas pela aplicação prolongada de pressão sobre a pele que recobre uma proeminência óssea, resultando em um tecido isquêmico local ou regional. A progressão dessas úlceras é influenciada por outros fatores, como umidade, fricção e cortes. Algumas doenças como paralisias, doenças vasculares, doenças metabólicas (diabetes ou hiperadrenocorticismo) e desnutrição, podem aumentar o risco de desenvolvimento das úlceras de decúbito. 

Na medicina veterinária, observa-se que a maioria dos casos está relacionada a pacientes com dificuldades locomotoras ou muito debilitados. Os cães obesos e de grande porte são mais suscetíveis ao desenvolvimento de úlceras de decúbito, pelo maior peso corporal.

As localizações anatômicas mais comumente afetadas pelas úlceras de decúbito são:
- MEMBROS PÉLVICOS: trocanter maior (articulação coxofemoral), tuberosidade isquiática (no quadril, perto do ânus), calcâneo (calcanhar), maléolo lateral da tíbia (tornozelo) e face lateral do quinto dedo.


- MEMBROS TORÁCICOS: acrômio (ombro), olécrano (colovelo), epicôndilo lateral do úmero (colovelo), face lateral do quinto dedo.


Prevenção
O reconhecimento dos fatores de rico é o primeiro passo a ser tomado para a prevenção do desenvolvimento das úlceras. Pacientes com limitação da mobilidade (em particular os cães de grande porte), tem alto potencial para desenvolver as escaras (ou úlceras de decúbito).
O mais eficiente para a prevenção é o leito correto, que deve ser macio (de preferência colchão de ar de uso veterinário). Deve-se virar o paciente de lado, a cada duas horas, e a pele deve ser mantida limpa e seca.
A avaliação das condições da pele devem fazer parte de uma rotina diária. A identificação e monitoração nas fases iniciais resultam em uma cicatrização mais rápida e efetiva. Os pelos devem ser cortados, pois retém umidade (urina e fezes) e camufla a real situação da pele, retardando o início das medidas preventivas ou o tratamento. Assim que a lesão for identificada, deve ser classificada e descrita. Mensurar a escara com fotos diárias ajuda a observar a progressão ou regressão das escaras de decúbito.

Tratanento
Deve ser feito o debridamento de todas as escaras (remoção dos tecidos inviáveis). Esse processo acelera a cicatrização pois cria um ambiente livre de infecções e tecidos necrosados. Após o debridamento, a ferida irá cicatrizar por segunda intenção.
Vários medicamentos tópicos apresentam efeitos potenciais na cicatrização, principalmente quando aplicados durante a fase inflamatória do processo cicatricial. Se houver infecção, será necessário iniciar uma antibioticoterapia. Úlceras mais avançadas podem precisar de reconstrução cirúrgica.
Independente do tipo de tratamento escolhido, a ferida deve ser mantida livre da ação de forças. Proteger a ferida contra a umidade, microrganismos, pressão, cortes e fricção é essencial para obter bons resultados.
Na fisioterapia, o tratamento de feridas de decúbito é essencial no programa de reabilitação.

7 comentários:

  1. Oi
    Estamos de volta com o blog!
    Tadinho do cachorro =/
    Tem que tomar cuidado, né.
    Estou seguindo você
    Obrigada pela visita lá no meu blog
    Bom final de semana
    ;*
    queremosfalardemusica.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Peguei um cachorrinho atropelado e quebrou a bacia . devido elemso ficar deitado ele está dando escaras dos dois lados do quadriu . eu não sei o que fazer??? Me ajud

    ResponderExcluir
  3. Peguei um cachorrinho atropelado e quebrou a bacia . devido elemso ficar deitado ele está dando escaras dos dois lados do quadriu . eu não sei o que fazer??? Me ajud

    ResponderExcluir
  4. Peguei um cachorrinho atropelado e quebrou a bacia . devido elemso ficar deitado ele está dando escaras dos dois lados do quadriu . eu não sei o que fazer??? Me ajud

    ResponderExcluir
  5. Peguei um cachorrinho atropelado e quebrou a bacia . devido elemso ficar deitado ele está dando escaras dos dois lados do quadriu . eu não sei o que fazer??? Me ajud

    ResponderExcluir
  6. Olá! Boa noite! Desde já agradeço as informações prestadas. Mas gostaria de esclarecer uma dúvida pois estou sem condições de levar minha cadela ao veterinário. O que seria esse tal de debridamento? Afinal sou leiga no assunto. No caso minha cadela não anda mais e está com uma escara e até agora a única coisa que estou fazendo é lavar o local, aplicando metiolate e tampando a ferida com gazes. Ah já apliquei iodo também. Obrigada.

    ResponderExcluir
  7. Olá! Boa noite! Desde já agradeço as informações prestadas. Mas gostaria de esclarecer uma dúvida pois estou sem condições de levar minha cadela ao veterinário. O que seria esse tal de debridamento? Afinal sou leiga no assunto. No caso minha cadela não anda mais e está com uma escara e até agora a única coisa que estou fazendo é lavar o local, aplicando metiolate e tampando a ferida com gazes. Ah já apliquei iodo também. Obrigada.

    ResponderExcluir